O que é Yoga?

Um autor chamado Patanjali escreveu, há 2.500 anos, o yoga-sutra, o primeiro texto sobre yoga. Nele, ele definiu como chita-vrtti-nirodhah, que significa a cessação dos tumultos da mente. A definição que costumo dar ao yoga é a que diz respeito à sua capacidade de apaziguar a mente, Desikachar, mestre yogue, define yoga como, … é voltar a mente para um único objeto e mantê-la concentrada nele sem qualquer distração.

Na verdade, yoga é um estado mental.

Aquietar a mente é uma meta intangível. É muito mais fácil trabalhar com algo tangível – o corpo – para almejar algo intangível – o apaziguamento da mente.

Ao abrir o corpo e mente nas posturas de yoga e nas práticas respiratórias, você abre para a experiencia profunda e prazerosa de quietude interior. Enquanto a mente tende a ter pensamentos que oscilam entre o passado e o futuro, o corpo humano existe no momento presente.

O Hatha Yoga é uma modalidade de yoga com ênfase no esforço vigoroso e persistente, estimula a percepção do corpo. Concentre-se no corpo traz a mente de volta ao presente. Com isso as preocupações são esquecidas, uma das razões da prática de yoga ser tão restauradora é estar pleno no momento presente.

Nesse sentido a prática do yoga é para toda vida, uma fantástica ferramenta de transformação.

A prática de yoga regular traz benefícios a médio e longo prazo para o corpo e mente (aspectos físicos, psicológicos e espirituais que formam o ser humano) Também proporciona o efeito instantâneo de bem-estar, é simplesmente mais agradável estar num corpo mais solto e mais livre do que em um corpo contraído, tenso e preso. É a integração de todas as partes que formam a totalidade do ser. É comum o praticante ter a sensação de ser mais alto e mais leve.

Se a prática escolhida deixa você mais feliz, ela é a prática certa para você!

Os Oito Angas ou Passos de Patanjali

São bem conhecidos como um aspecto importante da filosofia do Yoga. Estes Oito Passos fazem parte dos Yoga Sutras de Patanjali que contém 195 aforismos, sintetizando a visão, a prática e o resultado do Yoga, assim como as experiências e obstáculos que podem ser encontrados ao longo do caminho.

Os oito angas são:

1. Yamas – os valores fundamentais;

Ahimsa – não-violência. É o seu compromisso de não se julgar ou se forçar durante a meditação, mas de praticar auto aceitação, respeitando seu próprio ritmo.

Satya – verdade. É o seu compromisso de buscar a verdade mais profunda do seu Ser ao longo da meditação.

Asteya – usar somente aquilo que é preciso. É o seu compromisso de não acumular técnicas de meditação como um fim em si mesmo, mas de se focalizar na essência da meditação: a descoberta da identidade real do meditador.

Brahmacharya – conservação de energia. É manter a meditação fluindo, com leveza e sem resistência, para não desperdiçar energia ao longo da meditação, sempre terminando a prática com mais energia do que no começo.

Aparigraha – desapego. É a lembrança de que a sua prática de meditação, no final, não é pessoal. Você está meditando como parte de tudo que existe, em benefício de todos os seres.

2. Niyamas – recomendações de conduta para a prática e vida diária;

Saucha – pureza. É o seu compromisso de criar um espaço limpo e aberto no ambiente físico e dentro da mente.

Santosha – contentamento. É a lembrança de que mesmo que a sua prática tenha altos e baixos, você permanecerá em equanimidade, não se atolando nos baixos, ou se apegado na euforia dos altos.

Tapas – disciplina. É o seu compromisso com a prática regular e o entendimento que o progresso vem somente com esforço e determinação adequados.

Svadhyaya – auto estudo. É o seu compromisso de manter-se como testemunha de tudo que acontece na meditação, sem se identificar com as experiências da meditação, como eu e meu.

Ishvara Pranidhana – entrega ao Supremo. É a lembrança de que toda meditação está dirigida ao encontro do Absoluto, que também é sua própria natureza.

3. Asana – permanência em uma postura estável e confortável, de forma natural e sem esforço, na prática da meditação, nos asanas e na vida diária;

4. Pranayama – a expansão e canalização da energia primordial do nosso ser, chamada prana, tendo na respiração seu principal veículo;

5. Pratyahara – a internalização dos sentidos;

6. Dharana – a concentração contínua sobre um foco específico, abstração.

7. Dhyana – a meditação. O alinhamento natural e espontâneo do corpo, respiração, mente e espírito;

8. Samadhi – o estado final de meditação em que o meditador se dissolve totalmente dentro da experiência da meditação, um estado de Pura Consciência.

O aspecto mais extraordinário de sua prática é que você só melhora com a idade. As pessoas continuam a melhorar fisicamente (e mentalmente) com o passar das décadas. Estar mentalmente presente e respeitar os próprios limites a cada dia ajuda a prevenir lesões. Descobrir o próprio limite numa determinada postura e esperar pacientemente para dar o próximo passo ajuda a expandi-lo. Com base nesse ponto, sua força, flexibilidade, confiança e foco só aumentarão. Lembre-se yoga é também um estado da mente. Com o tempo e prática regular, sua capacidade de aquietar a mente aumenta e, com isso, também sua sabedoria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *