Saṅkalpa: exerça o poder da resolução interior

Sankalpa significa resolução. É uma frase curta, concisa, clara e altamente evocativa. Tem o objetivo de potencializar algum aspecto positivo da personalidade.

O poder da intenção

Talvez a intenção seja o mais poderoso componente das práticas de yoganidrā. Essa ferramenta é chamada saṅkalpa, ou “construção mental”, e consiste em condensar as suas aspirações e objetivos numa única frase, breve e muito significativa. 

A repetição dessa resolução interior pode modificar construtivamente a maneira em que você pensa e faz as coisas no dia a dia.

Isso terá um impacto muito positivo na própria prática e ainda, na maneira em que vivemos o nosso cotidiano, já que ganhamos mais foco e a nossa vida adquire um rumo e um significado claros.

Temos aqui um vídeo de 5 minutos sobre o tema para você:

Em que consiste o saṅkalpa?

saṅkalpa fortalece o foco da mente e despertando as forças latentes que facilitarão a realização dos nossos objetivos.

Consiste em ativar as qualidades construtivas que todos temos, mas que muitas vezes ficam bloqueadas por crenças, medos ou condicionamentos.

A ativação dessas qualidades dará um rumo tranquiloà nossa existência pois, quando encontramos o nosso lugar na ordem maior, a vida deixa de ser aquela montanha russa de sofrimento, pesar e aflição.

É preciso fazer um autoexame para identificar os nossos pontos positivos, as nossas carências, e evocar vividamente aquilo que queremos atualizar e melhorar.

Embora o saṅkalpa se faça mentalmente, ele nasce no coração, do anelo de superação que vem junto com a maturidade emocional.

É uma frase curta, mas carregada de significado. Deve manter-se por dez a quinze sessões sucessivas de meditação ou de yoganidrā, e repetir-se pelo menos três vezes ao iniciar e três ao finalizar a prática.

Como funciona?

Devem ser poucas palavras, e sempre as mesmas, para fixá-las no pensamento: uma frase curta, do gênero “lembro sempre que precisar”.

saṅkalpa deve ser afirmativo: por exemplo, “estou saudável” ao invés de “não estou doente”. Deve conjugar-se sempre no presente.

Se você pensar no futuro, nunca vai conseguir o seu propósito, porque o subconsciente só entende a linguagem do presente.

Como você deve estabelecer o seu saṅkalpa em função da sua necessidade, é preciso em primeiro lugar ver qual é essa necessidade.

Para ter isso claro, nada melhor do que uma boa autoanálise, profunda e sincera, que sirva para identificar os aspectos mais marcantes da própria personalidade e detectar os erros mais graves cometidos nos últimos tempos.

Feito isso, o saṅkalpa se estabelece com base nas atitudes opostas àquelas que se precisa eliminar. A mentalização pode trabalhar nos níveis físico, vital, emocional ou mental, dependendo da sua necessidade.

Alguns exemplos:

1. “confio em mim”;
2. “harmonia física e mental”;
3. “o sucesso me acompanha”;
4. “desenvolvo o meu potencial”.

Repita a sua resolução com vontade, confiança, entusiasmo e consciência.

No final do dia, é bom olhar para o dia que passou para refletir sobre seus desafios. Cada erro é uma lição, cada conquista um aprofundamento do entendimento.

Texto de Pedro Kupfer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *