Existe uma parte que não cabe à ciência!

O Pensamento do nosso século está imbuído de uma concepção de mundo denominada ‘científica’. O adjetivo ‘científico’ tornou-se um critério para medir a veracidade de uma afirmação, de uma teoria ou de um pensamento. Todos pensamos em categorias cientificas, mesmo em áreas que a rigor não estão ligadas à ciência em si. Assim, convertemo-nos, em larga escala, em ‘crentes da ciência’, sem estarmos muito conscientes da contradição desses termos.
Toda teoria, no momento de sua formulação, reproduz o respectivo nível de consciência de seus autores, através da constante pesquisa, esse nível de consciência desenvolve-se, deixando logo a teoria antiga parecer restritiva demais; uma nova teoria mais abrangente é necessária… resulta como lei obrigatória que, por causa da permanente expansão da consciência humana, cedo ou tarde toda teoria se tornará obsoleta e cederá lugar a novos conhecimentos, pois a verdade de hoje será o erro de amanhã. Se olharmos a história da ciência, veremos esta declaração confirmada, pois a história da ciência é a história dos equívocos humanos
”. (Dethlefsen, 1979)

Esse é o trecho do livro O DESAFIO DO DESTINO de Thorwald Dethlefsen. Sou uma fã deste autor, ele me leva a uma análise ampla. Ele ainda descreve que a cada geração temos a absoluta certeza de que esses erros foram cometidos somente no passado, nesse ponto A FORÇA DA FÉ CIENTÍFICA VENCE FACILMENTE A QUALQUER CEITA RELIGIOSA.

Outros autores também levam luz a essa questão:

Donah Zohar em seu livro O SER QUÂNTICO, descreve: “A visão de Newton arrancou-nos da própria substância do Universo”, na revolução filosófica e cientifica do século 17, a filosofia cartesiana arrancou os seres humanos do contexto religioso, social e familiar e lançou-nos de ponta cabeça na cultura do eu e do meu.

Sidarta Mukherjee, no livro maravilhoso, O GENE, descreve a história da ciência genética, mas como um médico indiano que é, tenta nos mostrar que EXISTE UMA PARTE QUE NÃO CABE À CIÊNCIA. A ciência investiga um mundo visível que nos é apresentado como matéria, assim criou um método de trabalho para isso, mas só enquanto investiga a matéria.

Thorwald Dethlefsen
Donah Zohar
Sidarta Mukherjee

No yoga existe um termo que representa bem o quanto não sabemos de nada, MAYA, ilusão.
A verdade só existe no coração, fora isso nada é real.
Pense:
– No Alaska é de boa educação oferecer sua mulher para dormir com o visitante;
– Em alguns lugares da Índia casam primeiro as mulheres com árvores para livrar o marido da morte prematura;
– No Japão cultivam melancias quadradas, assim é mais fácil empilhar!

Quem tá certo ou o que é errado?
Vivemos cobertos por um véu de ilusão, onde vemos um mundo fragmentado, nosso pouco conhecimento do absoluto não nos permite ver o todo, desta forma a perspectiva do mundo fica distorcida. Nossa mente classifica tudo no mundo como bom ou ruim, bem ou mal, dentro de parâmetros sociais, culturais, temporais.
Não tenho aqui a finalidade de criticar a ciência, mas sim de evidenciar a necessidade e o DIREITO de nos dirigimos para outros métodos oposto ao pensamento científico que podemos denominar de ESPIRITUALIDADE, BIOENERGIA ou até mesmo ESOTERISMO. Entendam, a evolução humana acontece em dois sentidos, crescemos de forma horizontal (corpo, intelecto, relacionamentos) e crescemos de forma vertical (energia, espírito) entretanto, essa evolução que liga o mundo das manifestações com o homem é solitária. Por isso, A VERDADE VEM DO CORAÇÃO DE CADA UM.

Podemos transmitir a informação, porém o conhecimento interior nunca é fruto da dedicação, mas a consequência de um ato de RECONHECIMENTO, pessoal e individual, de natureza metafísica. As maiores resposta a ciência não nos dá: morte, vida, quem sou eu?
Acreditar significa desconhecer.

Profª. Maria Thereza Ribeiro Teixeira Ferreira

1 comentário em “Existe uma parte que não cabe à ciência!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *